Adoro fazer oratórios. Criar esse tipo de peça, para mim, é um momento de total liberdade de criação. Cada detalhe é pensado com base na história que o cliente relata sobre a peça que vai abrigar-se nele. 
 
Ah, e quando digo “oratório” não estou falando apenas no sentido religioso que esse tipo de peça nos remete. Os que costumo criar aqui no ateliê são, como costume dizer, multiuso, pois podem abrigar o que o cliente desejar: das tradicionais imagens santas, é claro, passando por um toy art, um bibelô qualquer ou ainda uma peça muito querida que o cliente tem e quer dar um lugar de destaque, guardá-lo de forma especial, sabe?
 
Bom, na semana passada fiz um oratório assim, bem especial, pra guardar uma vela em forma de anjo, carregada de valor sentimental para o meu cliente. E depois de ouvir sua história, confesso que criar esse oratório teve um gosto ainda mais especial: era o gosto do amor: puro, incondicional, transformador, belo… e agora, eterno, que só existe entre mãe e filho…
E não podia faltar a borboleta, um simbolo de transformação, esperança e beleza… como só o AMOR é.
 
 
 
Desejo um resto de semana muito especial pra quem passar por aqui.
Mari.

Comente:

comentários