E não demorou muito para a ideia das reformas dos baús criarem assas e voarem. Depois do post que eu fiz desse bonitão aqui, lembra? Outros iguais apareceram, e eu que adoro um desafio, aceitei reformá-los na hora! 
 
E porque falei “adoro um desafio“? Pois sim! Reformar uma peça usada com falhas e defeitos, no final da contas, é sempre isso: um desafio! Cansa, demora pra caramba, demanda dedicação e muito suor… É um tal de lixa, emassa, lixa novamente, emassa novamente, pinta, cola, prega… Ufa! 
 
Para a maioria, “muito trabalho” é a leitura correta para definir a palavra customização. Por isso, para estes, é mais fácil jogar fora e comprar tudo novo.
 
E eu, o que acho? O mesmo! Não é fácil, oras! Mesmo o projeto mais simples, vai sim, te dar trabalho, pois tudo que é feito com cuidado e atenção dá trabalho. É ou não é verdade? A diferença entre entre mim e a turma do “joga fora e compra novo” é que não vejo uma reforma como horas perdidas ou como o tipo de trabalho que não compensa o esforço feito, sabe? Eu gosto de fazer a magia acontecer: ver uma peça velha, feia, desacreditada, ressurgir do lixo, do abandono, do ” eu não te gosto mais”. E eu consigo isso pois as olho com uma outra perspectiva. Só isso!
 
E quando digo que o trabalho é árduo, eu não estou brincado. Ás vezes, me envolvo tanto no projeto que nem consigo fotografar tudo o que eu gostaria. Não dá tempo de fazer o passo a passo certinho, de fotografar o “ante & depois” que todo mundo adora tanto (e nem vem me dizer que não é verdade, pois mentir é feio, viu?) =). Tá aí… isso sim, é algo que me deixa frustada e triste se eu não consigo depois de finalizar um projeto. Mas ainda bem que, muitas vezes, quando isso acontece, surgi em ação o cliente bacana, que me manda fotos gentilmente do “Antes e Depois” e me deixa feliz que nem pinto no lixo! E desta vez a cliente bacana foi a dona deste baú aqui, que me deu a missão de reformá-lo a semanas atrás e só agora tive tempo de vir aqui mostrar pra vocês:
 
Antes
 
 
 DEPOIS

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
E como o objetivo de post é apenas inspirar, o meu conselho neste começo de ano é o seguinte: customizar é algo que você tem que querer de verdade. Curta o seu projeto independente do tempo gasto. Se divirta com cada etapa. E se não ficar perfeito? Tudo bem. Se permita errar e relaxe! No próximo projeto você acerta! 
E agora, mão à abra! Mas com comprometimento e vontade de dar certo, senão, deixe para amanhã que é melhor, viu? =) 
Beijos,
Mari.

Comente:

comentários