Quando iniciei meu trabalho como designer de interiores e de objetos, encontrei uma barreira muito grande com relação ao uso das cores e na reutilização de peças de família. Como era difícil alguém comprar a proposta de um lar mais colorido, alegre e com peças repaginadas. Poucos conseguiam ver isso de maneira natural. Poucos eram capazes de perceber que era possível sim, criar harmonia com tais elementos. Era uma regra: tudo tinha que está combinando com tudo e tudo tinha que ser necessariamente, novo! Caso contrário, não era bonito, não ficava legal.

Bom, anos depois… Ah, anos depois… Muito me encanta ver como as pessoas se renderam, finalmente, as cores, a repaginação… Perceberam que ter cor pela casa não é sinal de cafonice e, sim, de alegria. Que repaginar um móvel antigo não é um atestado de pobreza, mas sim, uma forma de preservar uma história.
 
E sabe o mais me deixa feliz nisso tudo? É que há muito tempo eu já sabia disso. Que a aposta que fiz para meus projetos tempos atrás deu certo, e que hoje mais do que nunca trabalho feliz e realizada com escolha que eu fiz.
 
Não adianta novas tendências surgirem; vou continuar com o meu projeto original: apostando nas cores, na preservação da história, e principalmente, na alegria de um lar.
 
Deixo como inspiração algumas das muitas cores e história que já deixei por aí…
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Mari.

Comente:

comentários