O instagram virou uma fábrica de seguidores?

 

Hoje eu recebi um comentário no meu IG que me deixou estarrecida. Alguém, despido de qualquer sutileza, mas vestido completamente de sua cara de pau, me oferecia “amigavelmente” ajuda, para conseguir mais seguidores para o meu perfil no instagram. A proposta era R$ 800 por 10 mil seguidores! Oi?! Fiquei refletindo sobre o comentário por alguns minutos sem saber se me dava ao trabalho de responder (educadamente): “Ah, obrigada pela oferta, mas não!”, se perguntava: “ Ou seu Zé Mané? Tu tá doido? Quem te disse que quero esse tipo de serviço?” ou se eu deletava logo de cara o comentário do infeliz. Acabei não fazendo nenhuma das alternativas, mas fui preparar o almoço do Antônio pensando sobre o assunto. Gente, quando foi que ter muitos seguidores virou o foco, o grande divertimento do instagram? Me senti, de verdade, como se tivesse perdido um episódio importante da minha série favorita e ninguém tivesse me contado o final.  
Sempre achei (e não me achem bobinha por pensar assim), que a beleza do aplicativo estava em compartilhar momentos, coisas legais. Sei lá… Ingenuidade minha? Pode ser. Ok, eu não vou ser hipócrita em te dizer que acredito apenas nessa máxima. Sei que hoje ele virou uma verdadeira vitrine, onde se vende não apenas uma imagem, mas o produto que se deseja, e que cada um publica o que bem entender. Bom, acho que até aqui concordamos em algum ponto. Eu também não quero entrar no mérito do tipo de conteúdo publicado por lá. A questão aqui é outra: a necessidade desvairada de se ter seguidores, como se isso e, apenas isso, fosse o grande barato do negócio. Sério? É isso mesmo? Quero acreditar que não.

 

 

Ao contrário do que muita gente pensa, eu não entendo quem compra seus seguidores. Gente, é desrespeitoso demais! É feio! É triste! Fim. E não acho que só o fato do aplicativo ranquear melhor quem tem um número significativo de seguidores, e isso gere desdobramento positivo para quem ganha dinheiro por lá, justifique esse tipo de ação. Prefiro acreditar que é possível crescer sem comprar ninguém. 
O teu conteúdo é interessante? O teu produto é muito bom? Então, vai rolar. Uma hora vai.
 
Enquanto tem gente gastando toda energia da sua vida, nesse momento, em busca de novos seguidores, eu fico aqui com umas certezas: no meu IG não rola “SDV” e o famoso “troco likes”. Lá, assim como eu só posto aquilo que eu tenho vontade e só sigo aqueles com os quais me identifico, quero que me acompanhe apenas quem gosta do que eu publico e que me siga realmente quem quer. <3
Mari.

 

4 thoughts on “O instagram virou uma fábrica de seguidores?

  1. Confesso que por uns tempos pensei que só eu pensasse assim…rsrs
    Sinceramente, nunca concordei com isso de comprar seguidores ou mesmo postar maluquices em trocas de "likes".
    O ser humano é muito estranho mesmo. Eu prefiro ter poucos, mas fiéis amigos do que ter centenas de milhares de seguidores que sequer vêem seus posts.
    Concordo com tudo que você disse.

  2. Ninguém precisa disso. Eu sou um exemplo…acabei de achar seu insta por causa de uma visita que vc fez ao @lardossilvas eu vi desde a primeira foto e me identifiquei muito com o seu jeitinho de decorar, de ser feliz com as cores. Já amo vcs e quase me conaidero tia do Antônio rs Sério! Seu trabalho é lindo demais! Qd tiver a minha casa certamente a sua será uma inspiração.

  3. Que legal, Wilma, ler seu comentário. Acho que as pessoas estão realmente perdendo o bom senso. É tão importante não perder o foco do que é realmente importante na vida. Filtrar! Equilibrar! Esse é o caminho.
    Um beijo pra você.

  4. Ah, Midian que querida! Tu és uma menina do bem, com alma colorida, não precisa disso mesmo não. Amar é deixar livre, até para escolher quem a gente quer seguir e quem a gente quer largar à mão, não é? Penso por aí… E fico feliz de encontrar gente assim pelo meu caminho. É a parte boa dessa vida virtual. E muuuuuito obrigada pelo carinho com o meu pequeno. Fico feliz demais. <3
    Um beijo pra você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *