Quem diria que a caminha que fiz para o quartinho do Antônio renderia uma postagem só dela. Mas, depois que publiquei algumas fotos do projeto no instagram, comecei a receber um monte de mensagens e e-mails com perguntas de como fiz. Então, achei mais prático dividir os detalhes por aqui e ajudar todas as mamães que me pediram, carinhosamente, um “help!” de uma vez, já que as perguntas eram semelhantes. =)

Bom, como já tinha falado aqui, resolvemos fazer uma cama para o Antônio e aposentar o berço de vez, quando ele tinha uns 5 meses (ele está com 15 meses) e, desde então, só temos coisas boas pra contar sobre essa mudança. De verdade.Uma pegunta muito frequente que recebo é: “Por quê mandou fazer e não comprou uma já pronta? Não era mais fácil?”. 


Não para a nossa realidade. Lembro que na época, pensei sim, em algumas opções de camas já prontas. Mas tive um motivo maior que não me fez ir com ideia adiante: a cama do Antônio precisava ser maior que os modelos prontos, pois percebemos que ele pedia mais espaço para dormir. A gente notou que sempre que ele dormia, se virava, tentava ficar em posições variadas e o espaço no berço não permitia. Então, ele acordava irritado, chorando, e assim ficava até a gente conseguir acalmá-lo. Era horrível! Como explicar pra uma bebê que naquela posição não seria possível ele dormir, pois não tinha espaço? Resultado: o berço dele, em pouco tempo, se tornou o grande problema na vida do Antônio e na nossa também.

Foi um período muito insano de privação de sono, tanto dele quanto nossa. Até que eu tive a ideia de comprar mais um colchão de berço, juntá-los e fazer um teste. Deixamos ele dormindo por uma semana, só durante as sonecas da manhã e da tarde. O resultado foi tão positivo, ele dormiu tão bem, acordava tão feliz, que no final da semana fiz o projeto e encomendei logo para meu marceneiro. Me recusei a esperar mais um dia.

Bom, o projeto da cama dele não tem mistério, é super simples, mas é funcional: ela é feita em MDF branco, de 15 mm de espessura, com dois colchões de berço, nas mesmas medidas (isso é importante para não ter desnível), juntos. Podia ter sido um colchão sob medida também, eu que não tinha cabeça pra ir atrás de um na época. 

A cama foi projetada conforme as medidas dos colchões do berço que ele tem: 

Para essas medidas a cama ficou com as seguintes dimensões:

 

No projeto, pensei para a parte da frente, um rebaixo (6 cm) e também bordas boleadas, para evitar acidentes. Já as laterais e o fundo ficaram mais altos (17 cm), para prender bem os colchões e evitar que eles escapassem, já que a cama fica posicionada no meio do quarto. =)


O fundo da cama tem um chapa fina de MDF branco para evitar que os colchões fiquem diretamente sobre o chão. Pedi que essa chapa fosse laminada dos dois lados, para impedir formação de mofo ou bolor (devido à umidade de Belém) e para facilitar a limpeza, também. No futuro a ideia é encomendar um colchão sob medida e aposentar os de berço. Mas por hora, estamos muito bem assim. E o melhor: o Antônio está feliz! E isso é o que importa. 


A cama deu a ele não só qualidade de sono, mas também autonomia! Agora ele entra e sai da cama sozinho, já entende que pode deitar lá quando tem sono ou vontade de brincar, sem nos pedir ajuda para entrar ou sair.

E, pelo tamanho dela, sempre que ele me chama à noite eu ainda consigo deitar ao lado dele, amamentar e ficar lá até ele adormecer, novamente. Ela não é tão grande gente, mas funciona nesses momentos pra gente, sim. <3


O que posso afirmar é que a nossa experiência com a cama, foi a mais positiva possível. Tanto, que quando vier o próximo filho a ideia é já deixá-lo na caminha desde cedo, também. Mas é a nossa vivência, meu povo. Não quero aqui ditar regras, nem impor nada. A intenção é só ajudar quem me pediu ajuda. =) 

Bom, é isso. Se ainda restar alguma dúvida sobre o projeto de marcenaria, deixa um comentário aqui que eu PRO-ME-TO não demorar pra responder. Prometo!  

Até mais,
Mari.  

Comente:

comentários